Marcos 9, 14-29 

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos – Naquele tempo, 14Depois, aproximando-se dos discípulos, viu ao redor deles grande multidão, e os escribas a discutir com eles. 15Todo aquele povo, vendo de surpresa Jesus, acorreu a ele para saudá-lo. 16Ele lhes perguntou: Que estais discutindo com eles? 17Respondeu um homem dentre a multidão: Mestre, eu te trouxe meu filho, que tem um expírito mudo. 18Este, onde quer que o apanhe, lança-o por terra e ele espuma, range os dentes e fica endurecido. Roguei a teus discípulos que o expelissem, mas não o puderam. 19Respondeu-lhes Jesus: Ó geração incrédula, até quando estarei convosco? Até quando vos hei de aturar? Trazei-mo cá! 20Eles lho trouxeram. Assim que o menino avistou Jesus, o espírito o agitou fortemente. Caiu por terra e revolvia-se espumando. 21Jesus perguntou ao pai: Há quanto tempo lhe acontece isto? Desde a infância, respondeu-lhe. 22E o tem lançado muitas vezes ao fogo e à água, para o matar. Se tu, porém, podes alguma coisa, ajuda-nos, compadece-te de nós! 23Disse-lhe Jesus: Se podes alguma coisa!… Tudo é possível ao que crê. 24Imediatamente exclamou o pai do menino: Creio! Vem em socorro à minha falta de fé! 25Vendo Jesus que o povo afluía, intimou o espírito imundo e disse-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: sai deste menino e não tornes a entrar nele. 26E, gritando e maltratando-o extremamente, saiu. O menino ficou como morto, de modo que muitos diziam: Morreu… 27Jesus, porém, tomando-o pela mão, ergueu-o e ele levantou-se. 28Depois de entrar em casa, os seus discípulos perguntaram-lhe em particular: Por que não pudemos nós expeli-lo? 29Ele disse-lhes: Esta espécie de demônios não se pode expulsar senão pela oração.

Palavra da salvação.

‘Eu tenho fé, mas ajuda a minha falta de fé.’
 
Todos nós queremos dar soluções rápidas para todos os problemas e, por isso, podemos ser surpreendidos porque não conseguimos revolvê-los de forma satisfatória ou eles voltam a acontecer. Isso acontece principalmente porque não paramos para refletir sobre o problema e não buscamos todos os meios necessários para a sua superação. Jesus, antes de realizar o exorcismo, conversou com o pai da criança e exigiu dele uma postura de fé. Depois, chamou a atenção dos discípulos sobre a necessidade da oração. Devemos conhecer profundamente os desafios que nos são colocados no trabalho evangelizador e nos preparar em todos os sentidos para a sua superação. (CNBB)