Evangelho da Páscoa da Ressurreição do Senhor

João 20,1-9

No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo. Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”. Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou. Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte. Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu, e acreditou. De fato, eles ainda não tinham compreendido a Escritura, segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos.

Desenvolvimento do Evangelho

Domingo é o Dia do Senhor, o mais importante da semana do cristão, pois é o dia em que ele vai à casa do Pai para se encontrar com o seu Senhor. É o dia da ressurreição de Jesus que está vivo no meio de todos os que crêem.

E, foi neste dia, no terceiro depois da morte de Jesus, que Maria Madalena, mulher símbolo da comunidade convertida, foi até o lugar onde Ele estava sepultado para limpar o Seu corpo. Essa higienização era comum acontecer antes do sepultamento, porém, não foi possível pelo fato de Jesus ter morrido e ter sido sepultado às pressas na sexta-feira à tarde. Aos sábados os judeus não podem trabalhar.

Quando Maria Madalena chegou ao tumulo, encontrou o lugar aberto sem Jesus presente. Diante desta cena ela pensa que haviam roubado o corpo de Jesus, mas o fato mostra que não houve violação do sepulcro e nem roubo do cadáver, porque os ladrões não teriam se preocupado em dobrar o sudário (nome que se dá ao tecido que envolve o cadáver).

Maria Madalena representa a comunidade sem a perspectiva de fé, incapaz de assimilar a morte de Jesus, mas que mesmo assim, vai até Seu túmulo, sintetizando a busca dos cristãos pela vida e pelo amor. Ela ficou assustada porque não tinha entendido a mensagem que Jesus havia deixado durante a Sua vida, sobre a Sua morte e ressurreição, e foi correndo contar a Pedro o que tinha visto.

Os discípulos estavam descrentes, sem entender o que havia acontecido e, o fato de Maria Madalena encontrar Pedro e João sozinhos, mostra como os cristãos haviam se dispersado após a morte de Jesus.

Nesta passagem, pode-se verificar como João teve fé na ressurreição no momento em que não viu o corpo de Jesus no sepulcro. A ressurreição do Senhor era algo inusitado e, neste momento, só o discípulo que ama é capaz de descobrir e torná-la objeto de sua fé: Jesus não estava preso à morte. Ele estava vivo!

Tanto Pedro como João vêem os mesmos sinais, porém, aquele que ama é quem chega primeiro à descoberta do que é a verdade, porque o amor é mais forte do que a morte.